Nieman Foundation at Harvard
HOME
          
LATEST STORY
Notifications every 2 minutes: This in-depth look at how people really use WhatsApp shows why fighting fake news there is so hard
ABOUT                    SUBSCRIBE
April 24, 2017, 7 p.m.
Reporting & Production

Saiba o que impede a disseminação de notícias em realidade virtual

Adoção lenta de tecnologia está entre os motivos. Problemas com monetização também atrapalham. Além, é claro, de conteúdo maçante das reportagens.

Para empresas de notícias, a promessa da RV (Realidade Virtual) tem sido estragada por uma série de desafios que até agora dificultaram justificar o investimento atacadista em tecnologia.

Isso se tornou claro em uma nova pesquisa do Reuters Institute for the Study of Journalism, que teve um olhar aprofundado no estado das notícias que usam RV em 2017. A conclusão: apesar de certos esforços iniciais sérios entre veículos de notícias, a adoção generalizada de tecnologia entre os consumidores está ainda muito longe.

RV emergiu de fases de experimentações primárias e agora está se envolvendo nas empresas de notícias à medida em que elas enfrentam desafios de conteúdo e experiência do usuário“, escreveu Zillah Watson, a autora da pesquisa, que também encabeçou os esforços da BBC de usar a RV. “Mas ainda está alguns anos longe do que poderia se tornar –da mesma maneira que, 10 anos atrás, ninguém poderia ter previsto o papel das mídias sociais“.

Então, qual é o impedimento? Watson, que conversou com 20 fontes de empresas de mídia em diferentes estágios de investimentos em RV, cita alguns desafios persistentes:

RV é impedida por uma adoção morna do consumidor

Tecnologia de realidade virtual para consumo é ainda um recurso relativamente novo e, como resultado, inacessível para a maioria das pessoas. Enquanto jornais como The New York Times e o Financial Times ajudaram oferecendo assinaturas baratas para páginas acessíveis a fones de ouvido para smartphones, a popularização desta tecnologia está nas mãos de empresas como Google e Facebook –que estão melhorando a ferramenta e abaixando os preços. Martin Heller, líder da seção de inovação em vídeo na Die Welt, disse que a adoção generalizada de RV ainda está a pelo menos 3 ou 4 anos de distância.

Limitações técnicas também são um problema no lado da produção. Enquanto câmeras mais baratas de realidade virtual diminuíram as barreiras de entrada, produção de RV ainda está atrasada pela falta de padrões e uma abundância de obstáculos que complicam o processo de desenvolvimento para múltiplas plataformas. Para empresas menores, esses fatores impediram o investimento em tecnologia.

Muito do conteúdo em RV não impressiona

Muitas das pessoas com quem Watson conversou disseram que, enquanto organizações de notícias estão usando RV para experimentar novas maneiras para contar histórias, não existe conteúdo o suficiente para tornar a tecnologia instigante para muitas pessoas. Enquanto alguns veículos foram além de documentários de alta qualidade em RV, muitos ainda estão testando quais histórias funcionam melhor com o formato. “Acredito que mais e mais pessoas em veículos de notícias usem 360º para histórias que não são interessantes. Conteúdo ruim impedirá pessoas de assistirem”, disse Max Boenke, diretor de vídeo do Berliner Morgenpost.

Uma coisa que muitos concordam, no entanto, é que um vídeo precisa fazer sentido em RV. Jason Farkas, presidente de conteúdo premium da CNN, disse que vídeos 360º em particular precisam passar pelo que ele chama de “teste da testemunha”: “É uma história na qual a presença no lugar, cidade ou espaço ajuda a se entender a história mais profundamente?“.

RV ainda possui 1 problema com a monetização

Uma das questões mais vitais para a tecnologia é como organizações de notícias ganharão dinheiro com o uso de RV. Até agora, a maioria dos veículos usou parcerias com companhias tecnológicas ou acordo de conteúdo patrocinado para investir em seus projetos de RV –mas nenhum destes modelos parece uma resposta viável de longo prazo para a pergunta da monetização. A equação pode mudar à medida em que RV ganha mais consumidores, no entanto, tornando a publicidade uma opção mais atraente.

Apesar destes problemas, organizações de notícias ainda estão incentivando a criação de conteúdo em RV, em parte porque fazer isto ajuda a rotulá-las como marcas inovadoras e que pensam à frente dos outros, como Watson escreveu.

Organizações com visão de futuro querem estar posicionadas para abraçar o que vem pela frente, e não uma repetição do que foram deixadas para trás pela internet. E à medida em que tal experimentação tecnológica é vista como importante para as marcas, simplesmente fazê-la pode ser visto como um sucesso“.

POSTED     April 24, 2017, 7 p.m.
SEE MORE ON Reporting & Production
SHARE THIS STORY
   
 
Join the 50,000 who get the freshest future-of-journalism news in our daily email.
Notifications every 2 minutes: This in-depth look at how people really use WhatsApp shows why fighting fake news there is so hard
“In India, citizens actively seem to be privileging breadth of information over depth…Indians at this moment are not themselves articulating any kind of anxiety about dealing with the flood of information in their phones.”
Facebook probably didn’t want to be denying it paid people to create fake news this week, but here we are
Plus: WhatsApp pays for misinformation research and a look at fake midterm-related accounts (“heavy on memes, light on language”).
How The Wall Street Journal is preparing its journalists to detect deepfakes
“We have seen this rapid rise in deep learning technology and the question is: Is that going to keep going, or is it plateauing? What’s going to happen next?”