Nieman Foundation at Harvard
HOME
          
LATEST STORY
Vox’s new Netflix series is really good, but it doesn’t get us any closer to figuring out what news on streaming platforms looks like
ABOUT                    SUBSCRIBE
May 8, 2017, 4:18 p.m.
Mobile & Apps

BBC muda estratégia de cobertura via Facebook após May antecipar eleição

Rede britânica usa 1 canal pelo Facebook Messenger. Antes do anúncio, programa era usado para o Brexit.

Mês passado, a primeira-ministra britânica Theresa May antecipou as eleições de 2020 para 2017. O Parlamento foi rapidamente dissolvido e os membros retornaram às bases eleitorais para realizar campanhas atrás de votos para o dia 8 de junho.

Na BBC, as eleições também trouxeram uma mudança de planos. Em março, o veículo havia lançado 1 canal para o Facebook Messenger focado no Brexit, processo que envolve a saída do Reino Unido da União Europeia. Mas com eleições chegando, a companhia decidiu transformar o programa sobre Brexit para outro que cobriria a campanha britânica.

Todos sentimos que seria negligente de nossa parte de pegar o conceito do que estávamos fazendo com o Brexit e mantê-lo por 6 ou 7 semanas, enquanto a campanha eleitoral estava acontecendo“, disse Mark Frankel, editor de Mídias Sociais da BBC News.

A primeira-ministra, como ela mesma disse, convocou esta eleição para sustentar a sua posição e lhe dar a oportunidade, como ela coloca, de negociar com maior força sobre o Brexit“, afirmou Frankel. “Se o eleitorado vê de fato isto é uma outra questão. Mas o fato é que essa eleição, pelos olhos de Theresa May, tem sido considerada parcialmente como uma consequência de onde estamos com o Brexit. Tem-se uma associação, e sentimos que era importante refletir isto“.

BBC lançou o programa temporário no Sábado (6.mai), e planeja mantê-lo focado na cobertura das eleições pelo decorrer da votação do próximo mês.

O veículo havia lançado o canal no final de março, depois que May acionou o Artigo 50, que iniciou formalmente as negociações sobre o Brexit. As tratativas devem durar 2 anos.

Até agora, Frankel disse que “os números [de usuários do canal] ainda estão relativamente pequenos em comparação com o que temos no site“, mas que espera atrair “milhares de pessoas“.

O programa é ligado à página da BBC Politics no Facebook. O veículo trabalhou com a The Bot Platform, 1 desenvolvedor para Messenger em Londres, para criar o programa.

Como muitos grandes veículos, a BBC enxerga o Facebook, e o Messenger em particular, como 1 jeito de atrair uma audiência mais jovem, feminina e com maior diversidade. No ano passado, a BBC decidiu lançar uma série de páginas no Facebook cobrindo unicamente tópicos e áreas como entretenimento, família e educação, além de notícias sobre saúde e estilo de vida. Frankel disse que se enxerga os canais do Messenger como uma extensão desta estratégia.

A BBC sentiu que possuía espaço para mudar o foco do canal para as eleições. Porque a audiência que achou o programa pela página da BBC Politics provavelmente também estará interessada neste tipo de cobertura. Afinal, o Brexit também está no centro das eleições.

Esta é uma oportunidade para nós porque é 1 programa da BBC Politics. Tudo bem que estava focado no Brexit, mas não há razão para que nós não possamos o focar nas campanhas eleitorais“, disse Frankel. “O que planejamos fazer é mover parte do conteúdo em direção às eleições. Você verá uma combinação das últimas análises e informações na eleição surpresa. Em seu devido tempo, esperamos que haja o detalhes do manifesto de vários partidos, além de alguns detalhes de suas políticas públicas e junto ao conteúdo para o Brexit que já tínhamos. Durante a campanha, o programa político será uma combinação das eleições e do Brexit. Subsequente às eleições, uma vez que a poeira tiver baixado e nós tivermos uma nova administração, o programa voltará às suas operações diárias, mantendo as pessoas atualizadas quanto às negociações do Brexit“.

As operações diárias incluem alertas de notícias de última hora, análises e opiniões, explicações, testes, dentre outros formatos para contar histórias.

O teste, por exemplo, oferece aos usuários questões de verdadeiro ou falso sobre a União Europeia. Com perguntas como se a UE regula o tamanho de caixões (falso), e se a UE proíbe crianças menores de 8 anos a estourar balões (também falso). Usuários podem então ter mais detalhes sobre cada tópico discutido, e cada resposta inclui um GIF de políticos britânicos.

As explicações, enquanto isso, são escritas em 1 formato de “escolha seu próprio caminho” com questões pré-selecionadas que permitem ao usuários conhecer melhor como o Brexit impactará a economia, educação, saúde e imigração.

Frankel disse que foi 1 desafio encontrar o tom apropriado para as histórias no canal. “Você quer encorajar as pessoas a verem mais como 1 amigo auxiliando no seu caminho através de um assunto complexo, do que como alguma coisa está apenas lhe dizendo muitas informações”, afirmou.

Tivemos que pegar alguma história existente e pensar sobre como ela poderia ser quebrada em partes que funcionariam como uma série de mensagens com as respostas“, disse Frankel. “Você tem de pegar uma notícia de 500 palavras e pensar: ‘Se eu quiser ver isso como uma série de mensagens de texto, o que eu gostaria de ver, e o que eu deixaria de fora? Isso é uma maneira diferente de pensar sobre jornalismo’“.

Frankel disse que a BBC planeja adaptar algumas destas características para a cobertura da eleição. Planeja-se adicionar informações sobre plataformas de partidos quando forem lançadas. Além disso, em eleições gerais anteriores, a BBC tinha uma plataforma no site onde usuários poderiam ter informações localizadas baseadas no seu CEP e espera adicionar este tipo de funcionalidade no programa.

É um grande CMS e temos que tentar e descobrir quanto disso pode ser conectado rápido o suficiente“, disse Frankel. “No mínimo, poderemos ter uma certa quantia de páginas que podemos pré-ocupar com estas informações. Esperançosamente, poderemos fazer o suficiente que permitirá pessoas de verem suas bases eleitorais. Ultimamente, o que gostaríamos de poder fazer é poder permitir qualquer 1 a entrar no programa, colocar seu CEP ou o nome do seu eleitorado e poderia ser direcionado à uma página que tem o passado dos candidatos, as questões na sua área, e na noite dos resultados ou no dia após, sermos passíveis de lhes mostrar o resultado“.

Apenas de ser ainda cedo para programas do Messenger, Grant Heinrich, chefe de audiências do The Bot Platform, disse esperar que outros veículos de notícias continuem a usá-los como uma maneira de alcançar novos leitores –especialmente agora que pessoas gastam cada vez mais tempo em aplicativos de mensagens.

Ele disse também que organizações de notícias talvez estejam dispostas a tentar os programas de curto-prazo, focados em histórias, como o projeto da BBC para eleições. Porque o Messenger do Facebook entrega uma maior flexibilidade em sua plataforma para que veículos possam trabalhar.

Facebook lhe entrega uma linguagem de carrosséis, botões, assuntos, vídeos e aúdio“, disse Heinrich. “Não há uma grande gama de coisas que você pode fazer, mas você pode colecionar vários tipos de informações neles… usando muito das mesmas partes e pedaços“.

Translation by Poder360.

POSTED     May 8, 2017, 4:18 p.m.
SEE MORE ON Mobile & Apps
SHARE THIS STORY
   
 
Join the 45,000 who get the freshest future-of-journalism news in our daily email.
Vox’s new Netflix series is really good, but it doesn’t get us any closer to figuring out what news on streaming platforms looks like
The real revolution in video news will be when someone, someday, figures out a way to make timely, high-quality, democratically useful news work natively on a streaming platform.
From Bible study to Google: How some Christian conservatives fact-check the news and end up confirming their existing beliefs
“I think that when people go to Google, they think about Google weighing facts instead of ranking results.”
After crowdfunding success, Swiss magazine Republik charts a course to “reclaim journalism as a profession”
“We believe people don’t pay for articles anymore. They pay to be part of the community.”