Nieman Foundation at Harvard
HOME
          
LATEST STORY
Should you design for addiction or for loyalty?
ABOUT                    SUBSCRIBE
May 5, 2017, 8:29 a.m.
Audience & Social

Nos EUA, os republicanos parecem ser mais susceptíveis às “notícias falsas”

…mas as pessoas de esquerda não se devem acomodar muito.

“A desinformação é, actualmente, predominantemente uma patologia da direita”. Uma equipa de académicos da Harvard Kennedy School e da Universidade Northeastern publicou um relatório intitulado Combating artigo publicado em Janeiro, no qual os professores de economia Hunt Allcott (NYU) e Matthew Gentzjow (Universidade de Stanford) revelaram que, nas eleições presidenciais de 2016, “as notícias falsas foram partilhadas a nível geral e também fortemente inclinadas a favor de Donald Trump” e que “os democratas têm, em geral, mais tendência a identificar correctamente os artigos verdadeiros e falsos”.

“Trazer mais conservadores para o processo de deliberação sobre a desinformação é um passo essencial para combater as notícias falsas e para proporcionar um tratamento científico imparcial ao tema de investigação”, escrevem os autores do Relatório Shorenstein.

Ao mesmo tempo, os autores apontam que “existem pelo menos provas incidentais de que quando os republicanos estão no poder a esquerda se torna cada vez mais susceptível à promoção e aceitação de notícias falsas. Um exemplo paradigmático é a teoria da conspiração, que foi disseminada sobretudo pela esquerda durante a Administração Bush, de que o Governo era responsável pelo 11 de Setembro. Isto sugere que podemos esperar assistir a um aumento de notícias falsas promulgadas pela esquerda nos próximos anos.” Este ponto repete-se num artigo da Nieman Reports escrito por Jestin Coler o criador (emendado?) do Denver Guardian e de outros sites de “notícias falsas”. Coler escreve:

Este não é assunto isolado à direita marginal. Os dois lados do espectro político são susceptíveis às notícias falsas, e com a mudança recente no equilíbrio de poderes vejo os liberais como alvo principal de todas as informações negativas sobre o Presidente Trump e a sua administração.

“A sua investigação é surpreendentemente pouco persuasiva.” Em separado, ouvi várias das pessoas que contribuíram com investigação para o relatório de Harvard/Northeastern falarem numa conferência sobre notícias falsas na Faculdade de Engenharia de Harvard. David Lazer, professor de Ciência Política e de Informática da Northeastern, apresentou os comentários que, enquanto professor, teria feito ao recente documento branco do Facebook sobre segurança informática, no que diz respeito à participação cívica e às notícias falsas:

Para uma empresa que vale 500 mil milhões de dólares e que tem os melhores talentos e os maiores quantidades de dados, a vossa investigação é surpreendentemente pouco persuasiva e, apesar de utilizarem a palavra transparência, na verdade não utilizam o conceito. Portanto, normalmente, eu chumbar-vos-ia – por entregarem um trabalho tão inadequado e tão tarde. Mas a democracia em todo o mundo precisa que vocês não chumbem, por isso vou dar-vos um “incompleto”.

Lazer também afirmou que está actualmente a desenvolver uma base de dados que lhe permitiria analisar as notícias falsas no Facebook sem a ajuda do Facebook. (Muitos estudos sobre as notícias falsas nas redes sociais têm-se centrado no Twitter, porque os dados do Facebook não são abertos – mas a maior parte das notícias falsas habita no Facebook e não no Twitter.)

The Portuguese version of this story was published with Publico. Translation by Rita Monteiro.

Illustration from L.M. Glackens’ The Yellow Press (1910) via The Public Domain Review.

POSTED     May 5, 2017, 8:29 a.m.
SEE MORE ON Audience & Social
SHARE THIS STORY
   
 
Join the 45,000 who get the freshest future-of-journalism news in our daily email.
Should you design for addiction or for loyalty?
That depends on whether you want users or an audience.
From Nieman Reports: Reinventing local TV news might require going over the top
To attract young viewers, stations are going digital-first, crowdsourcing reporting, experimenting with augmented reality, and injecting more personality into the news.
Truth Goggles are back! And ready for the next era of fact-checking
“Why can’t we use the Cambridge Analytica [method] for good, to help people actually know good things?”