Nieman Foundation at Harvard
HOME
          
LATEST STORY
Are news publishers directly liable for embedding tweets that contain images not created by that tweeter?
ABOUT                    SUBSCRIBE
Aug. 7, 2017, 2:12 a.m.
Mobile & Apps

Financial Times retorna à Apple Store após uma ausência de 6 anos

A Apple não irá, entretanto, sofrer um corte na receita das assinaturas.

“Seis anos é um longo tempo para produtos“, disse Martin Fallon, gerente de produtos para aplicativos do Financial Times. Seis anos atrás foi a última vez em que o aplicativo principal do FT esteve na App Store da Apple. Em 2011, a companhia introduziu um web app. Alguns meses depois, retirou seus aplicativos de iOS porque não queria dar à Apple 30% de sua receita com a assinatura e queria mais informações sobre os assinantes do que a Apple estava disposta a fornecer.

Mais de meia década depois, você pode encontrar novamente o aplicativo do FT na App Store (junto a outros apps da companhia, como o FTChinese, que nunca saiu). A Apple não irá, entretanto, sofrer um corte na receita das assinaturas; como o Wall Street Journal anunciou na 2ª feira (7.ago).

O novo aplicativo de iOS só poderá ser acessado por assinantes atuais do FT. Novos leitores não poderão comprar assinaturas dentro do aplicativo. Precisarão fazê-lo pelo site do FT antes de logarem.

Esse modelo evita que a Apple tenha 1 corte na receita de assinaturas e permitirá ao FT coletar dados dos assinantes (quando eles fazem o pagamento) e outras informações diretamente de quem comprar o jornal on-line. O Spotify e outros serviços vendidos por meio de assinaturas digitais estão adotando uma estratégia similar em anos recentes.

“Nós identificamos o aplicativo iOS como uma maneira-chave de trazer engajamento“, disse Fallon. “Vimos que leitores que usavam nossos aplicativos estavam muito mais engajados que os que não usavam. Também percebemos que tínhamos uma taxa de adesão maior no Android, com aplicativos nativos, do que no iOS“. (Engajamento tornou-se uma maior parte da discussão em 2015, quando o FT criou um time de engajamento de audiência).

Ele também mencionou outros benefícios que o app de iOS trouxe para web app: melhorou a leitura on-line, logins persistentes, compartilhamentos mais fáceis, alertas pelo celular e downloads automático de atualizações –coisas que os usuários vêm pedindo, mas que não eram possíveis com o web app.

“Outra motivação é simples: os consumidores pediram“, disse Fallon.

No momento, o aplicativo iOS do FT é voltado apenas para assinantes existentes. Ao abri-lo, o usuário deve fazer o login; se não fizer, poderá ver a página inicial, mas não poderá ler nenhum texto. O aplicativo da web continuará a existir por enquanto, mas o FT pretende atrair a maioria dos seus leitores para o iOS app.

O Financial Times tem quase 870 mil assinantes pagos (este número subiu 9% em relação ao mesmo período no ano passado); destes, 666 mil são assinantes on-line (aumento de 13%). Mais de 50% dos assinantes digitais do FT já usam os aplicativos. Com o lançamento do app de iOS, espera-se que essa porcentagem cresça.

Translation by Poder360. This article was originally published in English here.

POSTED     Aug. 7, 2017, 2:12 a.m.
SEE MORE ON Mobile & Apps
SHARE THIS STORY
   
 
Join the 45,000 who get the freshest future-of-journalism news in our daily email.
Are news publishers directly liable for embedding tweets that contain images not created by that tweeter?
A New York federal judge ruled that when publishers from The Boston Globe to Vox Media to Breitbart “caused the embedded tweets to appear on their websites, their actions violated plaintiff’s exclusive display right.”
What strategies work best for increasing trust in local newsrooms? Trusting News has some ideas
“It’s not so much about gaming Facebook’s algorithm or working with the Facebook changes as much as it is taking advantage of Facebook as a truly social platform.”
Should we consider fake news another form of (not particularly effective) political persuasion — or something more dangerous?
Plus: The lines between “fake news” and psyops, the Russians shared real news too, and “reality apathy.”