Nieman Foundation at Harvard
HOME
          
LATEST STORY
Here’s Chalkbeat’s vision for local education news by 2025
ABOUT                    SUBSCRIBE
May 23, 2017, 8:29 a.m.
Audience & Social

Pegadinhas acadêmicas podem nos ensinar algo sobre jornalismo na era Trump

Experimentos mostram que problemas são culturais e estruturais.

Chame, se quiser, de um experimento de replicação. Há 21 anos, o físico da New York University Alan Sokal tentou provar que a influência das maneiras de pensar pós-modernas atingiram o ponto em que coisas acadêmicas sem sentido eram indistinguíveis de coisas acadêmicas que faziam sentido. Como um físico, Sokal achou que escrever sobre ciência era particularmente ofensivo, e submeteu um artigo de pegadinha para o importante periódico acadêmico Social Text, chamado “Transgredindo fronteiras: Em direção a uma hermenêutica transformadora da gravidade quântica“. Sokal conduzia 1 experimento para ver se “uma revista de estudos culturais líder na América do Norte –que possui em seu coletivo editorial pensadores como Fredric Jameson e Andrew Ross– publicariam um artigo sem sentido se a) soasse bom e b) bajulasse os pré-conceitos ideológicos dos editores”. E foi publicado.

Alguns dias atrás, os pesquisadores Peter Boghossian e James Lindsay, em suas palavras, publicaram “‘O pênis conceitual como uma construção social’, uma pegadinha no estilo de Sokal, sobre estudos de gênero”.

O artigo era propositalmente ridículo, argumentando basicamente que pênis não deveriam ser interpretados como órgãos sexuais masculinos, mas como construções sociais nocivas. Nós não tentamos entender o que “teoria discursiva pós-estruturalista do gênero” realmente significa. Assumimos que se estivesse meramente claro em nossas implicações morais de que a masculinidade é intrinsecamente ruim e que o pênis está de alguma forma na raiz dos problemas, poderíamos publicar o texto em um periódico respeitável.

Jornalismo na sociedade da pós-verdade

Há um contexto acadêmico para toda esta bobagem, tanto no abstrato (vários argumentos sobre a verdade e vários ‘pos’ –pós-verdade, pós-modernismo, pós-estruturalismo, etc.) quanto motivado por eventos reais (existem vários que eu poderia citar, mas procurar no Google “controvérsia de Tuvel”, ou só clicar aqui, vai lhe dar uma boa noção do que está acontecendo).

Mas há um jeito em que tudo isso realmente importa para o jornalismo, também, e tem a ver com as discussões que estamos promovendo sobre fatos, notícias falsas, Donald Trump e as pessoas que votaram nele apesar de todas as evidências factuais apresentadas que eles possam estar fazendo uma má decisão. O melhor resumo desta conversa pode ser encontrado em um artigo no Nieman Reports, e outro no Vox. O do Vox delinea-se em um texto mais antigo da ex-editora do Politico, Susan Glasser, para argumentar:

Enquanto houve muito bom jornalismo neste ciclo –todas aquelas histórias sobre a caridade falsa do Trump, seu histórico de esquemas e falências e seu histórico como predador sexual –”parece que não importou”, disse Glasser. O sinal perdeu-se no barulho ideológico… ela está certa em ver isto como um problema institucional, uma questão de autoridade e legitimidade. Fatos não falam por si mesmos, apesar do que se comumente acredita. Precisão não importa a menos que haja instituições e normas com a autoridade para que se faça importar. Para a imprensa, a questão é como fazer a verdade importar novamente.

O que une a hermenêutica da gravidade quântica, o pênis conceitual e Trump é um sentimento geral dentre muitas e muitas pessoas que é mais ou menos o seguinte: fatos não importam mais. Tudo é opinião. Nós não podemos saber o que é verdade, e estamos todos apenas correndo por ai tentando adquirir mais poder para nós mesmos ou para nossos partidos políticos ou para nossas teorias conceituais. É tudo pós-verdade, seja jornalismo ou ciência. E esse sentimento tem solicitado uma folga entre os cientistas no mundo, prontificando a ascensão do que o periódico de ciência conservador The New Atlantis chama de “o culto da ciência“.

A infraestrutura da verdade

A vida determina a consciência? Ou a consciência determina a vida? Em outras palavras, o jeito que o mundo é organizado –sua economia, política, arranjos institucionais– determina como pensamos sobre as coisas, ou como nós pensamos sobre as coisas em certo nível determina o jeito que o mundo é organizado? Este é um argumento antigo, pelo menos tão antigo (se não mais) quanto o dia em que Marx deu a sua primeira resposta para a questão em 1 livro chamado “A Ideologia Alemã“. A relevância desta questão para a conversa atual sobre política e pós-verdade é: podemos reverter esta tendência? Podemos parar o que parece a decadência do mundo ocidental em irracionalidade e tribalismo? Devemos focar na mudança da consciência humana, ou na estrutura que está subjacente a essa consciência?

Porque aqui há um ponto importante: a piada de 2017 do “pênis conceitual” não foi uma replicação da piada de Sokal de 1996. Na verdade, os editores do jornal para o qual Boghossian e Lindsay submeteram o artigo, NORMA: International Journal for Masculinity Studies, rejeitou o artigo, apontando os autores ao Cogent Social Sciences, um jornal em que as pessoas devem pagar para publicar, com padrões inferiores de revisão. Isso levou Boghossian e Lindsay a alegarem que sua piada demonstrou dois “problemas que ferem a credibilidade do sistema de revisão em áreas como estudos de gênero”:

(1) a câmara do eco de conteúdo de tendência sem sentido, moralmente guiado, saindo das ciências sociais pós-modernas de maneira geral, e departamentos de estudos de gênero em particular, e;

(2) o problema complexo de veículos nos quais se deve pagar para publicar, com baixos padrões, que monetizam a partir do ambiente acadêmico de publicar ou morrer ultracompetitivo. Pelo menos 1 desses problemas levou “O pênis conceitual como uma construção social” a ser publicado como uma peça legítima acadêmica e pode-se esperar defensores de cada camada colocarem a culpa 1 no outro.

Notou algo aqui? O primeiro problema é cultural (“conteúdo sem sentido de tendência”) enquanto o segundo é estrutural (“o problema complexo de veículos nos quais se deve pagar para publicar, com baixos padrões, que monetizam a partir do ambiente acadêmico de publicar ou morrer ultra competitivo”). E isso tem implicações sobre como abordamos problemas de notícias falsas e a pós-verdade no jornalismo também.

Vivemos em um mundo que se tornou fundamentalmente desvinculado da realidade? Esta é a explanação cultural para a crise política que se dá junto à natureza humana, como diz Mathew Ingram. “O problema… somos nós”, escreveu Danah Boyd em uma coluna brilhante sobre porque Facebook e Google não podem resolver o problema das notícias falsas sozinhos.

Os quebra-cabeças que se fizeram visíveis através das notícias falsas são difíceis. São socialmente e culturalmente difíceis. Eles nos obrigam a encarar como pessoas constroem conhecimento e ideias, se comunicam com outros, e constroem uma sociedade. São também profundamente bagunçados, revelando divisões e fraturas em crenças e atitudes. E isso significa que eles não são tecnicamente fáceis de construir ou implementar.

E ainda: o mundo mudou bastante desde que Alan Sokal publicou pela primeira vez sua pegadinha no Social Text. Havia menos periódicos acadêmicos predatórios do tipo que conhecemos hoje em dia. Fox News tinha praticamente um ano de vida. World Wide Web tinha dois. Mark Zuckerberg tinha 12. Jack Dorsey estava na faculdade. As tecnologias que permitiram que nossa sociedade da pós-verdade tivesse espaço do jeito que possui hoje não haviam sido inventadas de maneira significativa.

O problema, em outras palavras, pode não ser que nós –tanto como acadêmicos, humanistas, jornalistas ou cidadãos– perdemos nossa compreensão da realidade em um sentido humano cultural ou filosófico. O problema pode ser menos da natureza humana e mais que sistemas epistemológicos designados para facilitar o posicionamento da razão e da verdade na política e na academia estão falhando. O artigo do “pênis conceitual” foi, afinal de contas, rejeitado. Facebook, Twitter, Google e redações existem como organizações com políticas e tecnologias, e não simplesmente como uma consequência da natureza humana. São infraestruturas –infraestruturas que são parte de um sistema cultural e simbólico, mas não deixam de ser infraestruturas. Pesquisadores que estudam infraestruturas (sejam jornalísticas ou acadêmicas) sabem que mudá-las é difícil. Mas é mais fácil mudá-las do que mudar a natureza humana. O mínimo que podemos fazer, neste caso, é tentar.

Translation by Poder360.

Photo illustration based on a Stuart Rankin vector of an illustration from an 1894 issue of Puck.

POSTED     May 23, 2017, 8:29 a.m.
SEE MORE ON Audience & Social
SHARE THIS STORY
   
 
Join the 50,000 who get the freshest future-of-journalism news in our daily email.
Here’s Chalkbeat’s vision for local education news by 2025
The network’s pitch to local funders: “By the time the school reforms reached their zenith, there was not a single local education reporter dedicated to covering them.”
The New York Times shutters NYT en Español after three years: “It did not prove financially successful”
NYT en Español’s founding editorial director called the decision “extremely short-sighted,” and many others who’d worked on the product or read and followed it expressed their disappointment.
Nonprofit news outlets aren’t relying as heavily on foundations — but journalism philanthropy continues to grow
“Nonprofit news organizations have much in common even if their scope or mission differs. Their journalistic missions are shaped largely by the gaps they are trying to fill — investigative at the state, national and global level; more general news at the local level.”