Nieman Foundation at Harvard
HOME
          
LATEST STORY
Don’t click this: When should news organizations use “nofollow” links?
ABOUT                    SUBSCRIBE
Aug. 28, 2017, 9:36 a.m.
Reporting & Production

Time engaja leitores e reconta notícia com equipe de conteúdo interativo

“Nós queremos continuar a proporcionar experiências que derrubam barreiras na web e que não são possíveis no mundo impresso.”

No início do mês de agosto, apenas alguns dias depois de o presidente Trump anunciar seu apoio a uma nova lei de imigração com teor meritocrático, apelidada de RAISE ACT [ATO DO AUMENTO], a equipe de notícias interativas da revista Time tinha uma pergunta: quantas pessoas seriam incluídas se tal sistema fosse implementado?

Com esta pergunta em mente, a redação da Time criou um pequeno questionário com base na citada lei, perguntando a leitores sobre sua faixa etária, se os mesmos planejam investir capital nos EUA (resposta que valia no máximo de 12 pontos) e até se estes já receberam um Prêmio Nobel (resposta válida para 25 pontos). Mais de 3 milhões de pessoas já leram a reportagem, de acordo com dados internos da revista, tornando tal texto um dos mais populares da publicação durante o verão. (É importante assinalar que o New York Times publicou uma matéria similar [também em forma de questionário ao leitor] semanas após a veiculação ter sido feita pela Time.)

A equipe de notícias interativas da Time, agora com 3 funcionários, foi criada para capitalizar sobre um aspecto básico da mídia digital: Quizzes e outros tipos de histórias interativas são extremamente atraentes aos leitores. O BuzzFeed, é claro, publica várias peças de conteúdo seguindo esse conceito, focando não somente em questões triviais tais como: crises de identidade ligadas a pão e manteiga, mas também coligadas a certos eventos jornalísticos. The Week e Slate também publicam questionários semanais. O veículo Slate permite que leitores comparem suas notas em quizzes com as respectivas notas de repórteres.

Chris Wilson, o diretor de análise jornalística, disse que, em certos casos, o uso de quizzes também pode aumentar o impacto de alguns tópicos jornalísticos, tais como aquela reportagem sobre imigração: “Se nós tivéssemos publicado essa notícia como uma tabela estática, expondo uma série de perguntas, nós ainda teríamos transmitido o mesmo conceito –mas não teríamos provocado a mesma repercussão visceral que os leitores tiveram ao entender o acontecimento de forma interativa [por meio de um quiz]. Esse modo de apresentar uma notícia faz com que você vivencie a experiência de uma pessoa onde as respostas a tais perguntas realmente têm um sentido maior [a admissão nos EUA] Isso proporciona uma ótima demonstração do processo em questão.”

A equipe da Time também encontrou sucesso em outras fronteiras. Em junho, em celebração ao vigésimo aniversário da publicação do 1º livro da série Harry Potter, a Time publicou um quiz que foca um aspecto popular da série, o Chapéu Seletor. Tal questionário tem o intuito de ajudar leitores a descobrirem qual “casa” da Escola de Hogwarts (Grifinória, Corvinal, Lufa-Lufa ou Sonserina) se assemelha mais a suas personalidades. O questionário está longe de ser uma novidade na web (uma rápida busca no Google revela que os britânicos [país de origem da série] The Guardian, BBC, além de, é claro, o BuzzFeed, todos já lançaram suas próprias variações da ideia, dentre outras). No entanto, o que ajudou o quiz feito pela Time se sobressair dos demais foi que a revista elaborou as 21 perguntas contidas no questionário com a ajuda de cientistas sociais da Universidade de Cambridge, injetando um rigor científico no processo. Utilizando questões de avaliações científicas sobre personalidade, os pesquisadores perguntaram a pessoas que completaram diversos questionários o quanto elas concordavam ou discordavam de declarações como “Eu me empenho com extremo vigor quando estou tentando atingir uma meta” e “Eu acho que eu mereço mais respeito que uma pessoa comum.” Para determinar quais características correspondiam a cada “casa”, a Time e os pesquisadores de Cambridge também recorreram a 650 (autodeclarados) superfãs de Harry Potter para completar o questionário em nome de personagens dos livros.

Mas havia ainda algo por trás disso tudo: enquanto leitores completavam o questionário relacionado aos filmes de Harry Potter, eles estavam contribuindo anonimamente com o trabalho de pesquisadores da Universidade Cambridge ao ajudar com suas respostas a encontrar a correlação entre traços de personalidade de um indivíduo e sua localização geográfica. De acordo com Wilson, mais de 600.000 pessoais escolheram participar da pesquisa, ao colaborarem com seus respectivos resultados, oferecendo aos pesquisadores uma enorme quantidade de dados. Wilson afirmou que tem tremendo orgulho do quiz do Harry Potter pois o mesmo “envolveu muita ciência boa”.

A Time já experimentou outros formatos de conteúdo interativo. Uma reportagem publicada em julho apresentava um questionário que perguntava aos leitores o quão bem eles conseguiam desenhar todos os 50 Estados americanos (aparentemente as pessoas não sabem desenhar os Estados do Michigan, Havaí e Maryland). A equipe da Time também criou, assim como outros veículos, uma função permitindo que leitores visualizem como o eclipse solar foi visto de qualquer ponto dos EUA.

Materiais interativos como esses ainda são peças raras no conteúdo da Time. É difícil conseguir uma ligação entre conteúdos desse gênero e notícias. Existem também desafios técnicos relacionados à elaboração dos questionários, que ainda requerem uma enorme ajuda de especialistas da área de informática para serem formatados. Wilson afirma que uma das suas prioridades é desenvolver um modelo para que repórteres de todos os cantos da Time Inc. possam facilmente criar e reutilizar questionários mesmo com baixo nível de conhecimento no ramo da informática. (O EW.com. por exemplo, republicou o quiz do Harry Potter, e a Travel + Leisure fez uso do simulador interativo do eclipse).

“O que eu realmente gosto sobre esse tipo de conteúdo é que eles são únicos, especialmente para sites com teor jornalístico,” disse Wilson. “Nós queremos continuar a proporcionar experiências que derrubam barreiras na web e que não são possíveis no mundo impresso.”

The Portuguese version of this story was first published in Poder360. Translation by Miguel Gallucci Rodrigues.

POSTED     Aug. 28, 2017, 9:36 a.m.
SEE MORE ON Reporting & Production
SHARE THIS STORY
   
 
Join the 50,000 who get the freshest future-of-journalism news in our daily email.
Don’t click this: When should news organizations use “nofollow” links?
Plus, a new free course for online fact-checking taught via workspace app Notion.
One potential route to flagging fake news at scale: Linguistic analysis
It’s not perfect, but legitimate and faked news articles use language differently in ways that can be detected algorithmically: “On average, fake news articles use more expressions that are common in hate speech, as well as words related to sex, death, and anxiety.”
Finally, Instagram is getting fact-checked (in a limited way and just in the U.S., for now)
“The potential to prevent harm is high here, particularly with the widespread existence of health misinformation on the platform.”