Nieman Foundation at Harvard
HOME
          
LATEST STORY
Podcast producers are worried about being screwed over by sketchy contracts; here’s what to look for
ABOUT                    SUBSCRIBE
April 28, 2017, 9:52 a.m.
Mobile & Apps

Contraponto do Apple News para Android se espalha por 16 países da Europa

Aparelhos Samsung S7 e S8 virão com o Upday já instalado. Agregador de conteúdo fornece audiência para publicadores. Desafio é conseguir se viabilizar com dinheiro de publicidade.

O que aconteceria se você pré-instalasse 1 aplicativo de notícias em milhares de novos celulares Samsung na Europa, do mesmo jeito que a Apple “presenteou” com 1 álbum do U2 os usuários do iTunes em 2014?

Parece que, até agora, as pessoas responderam melhor à primeira oferta do que os usuários do iPhone ao tão maldito brinde do U2. O agregador de notícias Upday, uma criação da Axel Springer na qual a empresa coloca grandes esperanças de se tornar presente em toda a Europa, vem instalado em novos smartphones da Samsung –e apenas Samsung–em Alemanha, França, Polônia e Reino Unido. O app ostenta mais de 8 milhões de visitantes únicos por mês, de acordo com o editor-chefe e chefe de produto do Upday Jan-Eric Peters, em grande parte por causa do acordo exclusivo com a Samsung.

O aplicativo vem pré-instalado nos novos celulares Samsung S8, que foram lançados no dia 21 de abril na Europa, e se expande para 12 novos países, aumentando o alcance apenas para aparelhos Android.

O Upday estava funcionando apenas em 4 países desde seu lançamento em março do ano passado, e o acordo com a Samsung –que, apesar de ser responsável por 1 modelo de celular que entra em combustão espontânea, é a maior produtora de smartphones na Europa– deu-lhe uma imediata e aparentemente atenta audiência que gasta em média mais de 5 minutos por dia no aplicativo. (Apenas deslize o dedo para a esquerda no seu novo Samsung, e o app está lá).

O aplicativo tem 2 componentes: uma seção mantida por jornalistas que selecionam as notícias mais importantes e quais publicações aparecerão, e uma seção personalizada, determinada por um algoritmo que entrega conteúdo de acordo com o histórico de leitura do usuário. O Upday se posiciona como uma plataforma pela qual qualquer produtor de conteúdo pode distribuir histórias –1 contraponto para Android ao Apple News que está disputando com o Google Newsstand e o Flipboard–, e se vê como uma alternativa mais aberta que pega vários feeds de editores e os premia com uma maior quantidade de tráfego móvel e visualizações de publicidade.

Cerca de 3.000 feeds de organizações de notícias serão examinadas por uma equipe de controle de qualidade de conteúdo por critérios técnicos, como se as páginas são otimizadas para uso móvel e disponibilizadas pelo Upday com a nova expansão. Peters também esteve negociando com outros veículos que possuem restrições para o uso de conteúdo gratuito para que algumas de suas histórias também estejam no aplicativo. Svenska Dagbladet, da Suécia, foi integrado de tal forma que os usuários do Upday não atingirão o limite máximo de leituras gratuitas. O Newsweek Polska está em processo de integrar 1 feed separado. Será adicionado em maio 1 veículo pago italiano.

Peters não revela qual a porcentagem de usuários que continua usando o app após a compra do Samsung, e nem quais os termos do acordo com a empresa coreana. Mas pelo lado de fora aparenta-se haver 1 contínuo investimento e confiança. O Upday dobrou sua equipe editorial para 50 jornalistas espalhados por 8 cidades (Berlin, Londres, Paris, Varsóvia, Milão, Madri, Amsterdam e Estocolmo), capazes de lidar com diversas línguas faladas pela Europa (o software do Upday não faz traduções). Além disso, tem cerca de 40 outros membros nas equipes de desenvolvimento, vendas e administração

Eu apenas posso perguntar: por que Samsung nos quer em seus celulares? Não é um benefício para seu negócio, mas sim que eles querem ter a melhor possibilidade de serviço de notícias em seus telefones, para que as pessoas continuem a comprar os smartphones“, disse Peters. “Ao invés de tentar começar algo eles próprios, eles começam uma parceria com uma organização de notícias“.

A equipe editorial do Upday compila coleções de histórias de diferentes organizações de notícias –por exemplo, sobre grandes eventos como as eleições na França– mas não buscam publicar seu próprio material original. “Não vamos publicar nossas próprias histórias. Queremos ser uma plataforma –e especificamente, uma plataforma dos publicadores“, disse Peters. “Não forçamos publicações para dentro de um sistema fechado, como o Apple News, ou o Instant Articles do Facebook“.

Peters me disse que leitores clicam em cerca de 5 a 10% dos artigos para ler a história completa nas páginas dos veículos, e que o Upday direcionou mais de 3 milhões de visitas a publicações baseadas nas estatísticas dos 4 países onde o aplicativo foi lançado inicialmente. Peters também disse que a maioria da “mídia de qualidade” dos principais países onde o aplicativo está disponível está começando a ver de 3% a 5% do tráfego móvel vindo do Upday, com o número passando de 20% ocasionalmente. Peter não quis especificar quais publicações ganham as maiores movimentações, mas disse que geralmente são as marcas conhecidas “que tem a maior base no mundo digital“. Ele, no entanto, mencionou HuffPost e Business Insider (pertencente à Axel Springer) como publicações que ganham maior tráfego do Upday.

(Eu enviei e-mails às grandes organizações de notícias que eu sabia estar usando a plataforma, incluindo o The New York Times, mas não obtive resposta).

O Upday ainda não é 1 empreendimento rentável, mas possui claramente um caminho a ser percorrido, e está planejando gerar rentabilidade inteiramente por publicidade. Anúncios aparecerão no sistema, e o Upday receberá 100% do retorno financeiro. “Ainda temos que provar que isto funciona, mas estamos otimistas“, disse Peters.

Eu me perguntei se, a longo prazo, a aposta nos celulares Samsung levará a 1 impedimento no crescimento do Upday –a venda de telefones Android foi fraca na Europa Oriental no fim do ano passado, segundo a Gartner, e analistas prevêem que IPhones serão mais populares.

Quando eu estive conversando com publicações e editores-chefes, e devo ter visitado centenas de publicações, diria que 99% deles tinham iPhones. Eles nunca tinham visto o Upday em 1 celular“, disse Peters. “Isto é muito diferente do mundo real. Usuários de Samsung são adicionais aos de iOS em que a indústria midiática geralmente se concentra.”

O alcance vai além da sua auto-instalação em smartphones. O Upday envia histórias relevantes sobre bem-estar, forma física e saúde para 1 espaço dedicado a isso em app da Samsung. A empresa também produz geladeiras com monitores conectados às portas, e, em 5 países na Europa, o app se integra a estes eletrodomésticos. Sim, a sua geladeira chique da Samsung exibirá manchetes do Upday enquanto você guarda suas compras. (Nos Estados Unidos, as geladeiras lêem notícias da NPR).

“As pessoas geralmente renovam seus celulares a cada 2 ou 3 anos. Existe muita gente com o telefone S6 sem o Upday, mas que quando realizar o upgrade para o S8 ou S7, o ganharão“, disse Peters. Ele afirmou que 1 dos objetivos era o de ultrapassar o aplicativo da BBC News na Europa. “Isso garante mais crescimento. O mercado é agora definitivamente grande o suficiente para nós“.

Translation by Poder360.

POSTED     April 28, 2017, 9:52 a.m.
SEE MORE ON Mobile & Apps
SHARE THIS STORY
   
 
Join the 50,000 who get the freshest future-of-journalism news in our daily email.
Podcast producers are worried about being screwed over by sketchy contracts; here’s what to look for
Plus: The Longest Shortest Time is about to clock out, Crooked Media goes daily, and WNYC resoundingly re-Sounds.
From newsroom to newsletter: How local journalists are DIYing important coverage via email
Just as blogging allowed a new cadre of journalists to work outside established news organizations in the early 2000s, the email newsletter boom has done the same in local communities. “This is more than 40 hours a week for far less than minimum wage. To be frank, it’s exhausting. I only do it because it’s so important.”
Apple should do for news in Safari on mobile what Google has done for news in Chrome
Your iPhone is very good at directing your attention. What if it could be a little bit better at directing it toward news?