Nieman Foundation at Harvard
HOME
          
LATEST STORY
What happens when a public radio station goes after its state’s favorite tradition?
ABOUT                    SUBSCRIBE
April 11, 2017, 11:08 a.m.
Audience & Social

Uma “Wikipédia de verificação de factos” para ajudar a dar contexto

“A nossa definição simples, para os objectivos da wiki, é que ‘verdade’ é algo em que geralmente acreditam as pessoas em posição de saber, que têm probabilidade de dizer a verdade.”

Pode não ser tarde de mais para uma pequena correcção no rumo da maneira como todos consumimos e avaliamos (ou não) a informação num ambiente digital. Mas incluir alguma diversidade ideológica nas “dietas mediáticas” dos leitores está longe de ser um remédio milagroso para o problema da desinformação e das “câmaras de eco” parciais que dividem a sociedade em realidades isoladas.

“A ideia de que para chegarmos à verdade basta, por exemplo, ler apenas o Breitbart e depois o Truthout, e que de alguma forma vamos chegar à verdade, é uma ideia um pouco bizarra”, disse Mike Caulfied, quando lhe falei de amigos que, na sequência das eleições norte-americanas, tentam “equilibrar” a “parcialidade de esquerda” nos meios de comunicação que consomem.

Caulfied, que é director de educação combinada e em rede na Washington State University Vancouver, tem trabalhado nos últimos meses num projecto-piloto de uma wiki de verificação de afirmações para estudantes universitários na Digital Polarization Initiative (Digipo), que incentiva os estudantes a ter em conta os ecossistemas onde essas informações têm origem, bem como os ecossistemas em que estas são, posteriormente, mais discutidas. (Caulfield explica em profundidade o motivo da estrutura das páginas neste artigo).

A wiki acolhe submissões feitas por estudantes de várias alegações que circulam online, numa variedade de áreas que vão para lá da política, incluindo o ambiente, o discurso de ódio, a raça, a imigração, a psicologia e as neurociências. Os alunos das instituições participantes trabalham em público, colectivamente, de modo a preencher o ciclo de vida de uma alegação e resumir e medir os pontos de vista que foram partilhados online sobre ela, numa espécie de Know Your Meme sobre informação viral.

Por exemplo, a página sobre a famosa alegação “três milhões de imigrantes ilegais votaram” inclui o seguinte raciocínio cauteloso dos alunos sobre a veracidade desta alegação: “Não há boas razões para acreditar nesta alegação e há numerosas razões para duvidar dela”, concluiu o estudante que editou esta página da wiki. “A razão principal para duvidar é que não foi apresentada nenhuma prova. Todo este argumento é um tweet em que alguém alega ter provas”. Também é possível consultar as revisões da página, encontrar uma lista de sites que divulgaram a alegação original e visitar ligações para mais análises sobre a alegação. A alegação sobre fraude eleitoral foi classificada como “altamente improvável” – uma designação que pode facilmente ser disputada através da edição da wiki, sugeriu Caulfield.

“Quando procuramos a verdade, a nossa definição simples, para o propósito desta wiki, é que ‘a verdade’ é algo em que as pessoas em posição de a saber geralmente acreditam, e que é provável que digam a verdade”, explicou Caulfield. “Mas as pessoas estão a ficar obcecadas com a componente “É provável que digam a verdade?”, sem abordarem a questão “Será que estão em posição de a saber?” (Os sites que reúnem e manipulam as reportagens de outras pessoas ou os que se baseiam em fontes que não estavam presentes num acontecimento para opinar sobre o que aconteceu ali? Não estão em posição de saber.)

Esta wiki faz parte do American Democracy Project da Associação Americana de Faculdades e Universidades Estatais (AASCU), que começou pouco depois das eleições americanas de Novembro. Até agora, só foi partilhada dentro da rede da AASCU, mas toda a gente com um endereço de email .edu se pode registar – uma preparação para um lançamento mais alargado em Junho. Até agora, há várias escolas envolvidas na wiki e os argumentos para a sua utilização vão muito além de ensinar literacia para os media.

“É uma ideia que se insere bem em muitas disciplinas diferentes. Podemos usá-la numa aula sobre políticas públicas, numa aula sobre escrita”, disse Caulfield. Há uma disciplina de neurociências que está a usar a wiki para abordar alegações suspeitas sobre as ciências psicológicas. Uma disciplina sobre ambiente está a analisar as tensões que rodeiam o consumo de água e os factores que contribuem para as secas.

A wiki está ligada ao widget de anotações Hypothesis, para permitir aos estudantes apontar frases específicas em todas as ligações que fazem para sustentar a sua verificação de factos. O processo de escrita de novas páginas pode parecer ultrapassado aos estudantes (“a tecnologia das wikis públicas parece ter anos de atraso”) e há utilizadores que escrevem num Google Doc, que depois é importado para a wiki. O software de open source DokuWiki, utilizado pela Digipo, é apenas uma solução temporária. Idealmente, segundo Caulfield, encontraria um parceiro tecnológico que poderia fornecer uma plataforma mais fácil de usar, e que não teria necessariamente de envolver apenas alunos.

“Se outras pessoas pudessem construir essa estrutura, podíamos concentrar-nos só na pedagogia, fazer os alunos pensar sobre estes temas, e as pessoas que são muito melhores nesta componente podiam tratar da tecnologia”, disse Caulfield. “Temos de criar algo melhor do que o Google Docs.”

The Portuguese version of this story was published with Publico. Translation by Rita Monteiro.

POSTED     April 11, 2017, 11:08 a.m.
SEE MORE ON Audience & Social
SHARE THIS STORY
   
 
Join the 50,000 who get the freshest future-of-journalism news in our daily email.
What happens when a public radio station goes after its state’s favorite tradition?
Vote first or die! Plus: an audio investment in evening commutes, what Vice is up to in podcasts, and My Favorite At-Least-$10-Million Deal.
Berkeleyside is launching a sister site in Oakland to help fill the void left by pillaged newspapers
“As we build out that newsroom, how do we prioritize people who have experience serving info needs in communities across disciplines?”
As it settles into Vox, Recode is starting a new project to help people feel power over algorithms
“It’s about cutting through the apathy that a lot of people have about tech because it feels mysterious, letting people know there are decisions and changes you can make to your behavior that will feel empowering to people.”