Nieman Foundation at Harvard
HOME
          
LATEST STORY
By running unwitting PR for Jeffrey Epstein, Forbes shows the risks of a news outlet thinking like a tech platform
ABOUT                    SUBSCRIBE
June 16, 2017, 11 a.m.
Mobile & Apps
LINK: qz.com  ➚   |   Posted by: Ricardo Bilton   |   June 16, 2017

Donald J. Trump é seguido por multidões nas redes sociais. As declarações oficiais de 140 caracteres do presidente norte-americano têm sido inspiração para muitas piadas no Twitter, onde as críticas regularmente exibem antigas declarações de Trump que contradizem as atuais circunstâncias ou que, de forma implícita, criticam seu próprio governo. Existe 1 tweet para cada situação.

Com o objetivo de ver se a tecnologia poderia automatizar tais justaposições e possivelmente trazer à superfície o que humanos não conseguem ver, o Bot Studio, da Quartz, criou o Trump of Yore, uma ferramenta que automaticamente escaneia os novos tweets de Trump e os compara com os 35.111 tweets já existentes, postando as diferenças no Twitter.

A ferramenta não consegue, consistentemente, criar justaposições irônicas entre as antigas publicações de Trump e as atuais (comentaristas políticos de sofá estão a salvo por ora), mas promove 1 trabalho digno em comparar tweets sobre ideias e tópicos semelhantes.

Alguns resultados funcionam mais do que outros: 1 tweet contra a lei Obamacare foi apropriadamente comparado com outro de setembro de 2013 sobre o efeito da lei sobre os empregos americanos e saúde. Por outro lado, o tweet de 16 de junho sobre as investigações do FBI não parece ter algo em comum com um tweet de 2013, onde Lance Armstrong está dando uma entrevista para Oprah Winfrey.

(Leitores aversos a jargões, olhem para o outro lado: De maneira geral, cada novo tweet é dividido em pequenas partes, chamadas de “vetores”, que recebem cada uma um número. Esses números, então, são comparados como outros pertencentes a tweets antigos. Uma vez que 1 par matematicamente similar é encontrado, ambos são postados no Twitter. Pelo menos, foi isso o que eu entendi –John Keefe possui muito mais detalhes específicos em uma postagem do blog do Bot Studio.)

A tecnologia do bot é baseada em 1 trabalho realizado por pesquisadores na Universidade Carnegie Mellon, que argumentou em 1 artigo de 2016 que esse tipo de análise semântica poderia ajudar a rastrear doenças infecciosas nas mídias sociais. Keefe disse que certamente existem outros usos jornalísticos, especialmente meios automatizados de encontrar conglomerados semelhantes de tweets.

“Computadores são muito melhores nisso do que humanos”, disse Keefe.

O Quartz Bot Studio, que foi lançado em novembro de 2016, está trabalhando em 1 conjunto de ferramentas automatizadas para jornalistas e espera melhorar algumas partes do processo de redação e relatórios. Trump of Yore certamente será base para esses projetos posteriores, que serão lançados a partir do 2º semestre.

Translation by Poder360.com. This article was originally published in English here.

Show tags Show comments / Leave a comment
 
Join the 50,000 who get the freshest future-of-journalism news in our daily email.
By running unwitting PR for Jeffrey Epstein, Forbes shows the risks of a news outlet thinking like a tech platform
If journalists want to criticize the anything-goes ethos of Facebook, it’s only fair to note when news organizations’ hunger for scale leads them down the same problematic path.
Can’t read just one: Slate’s daily advice columns are strange, funny, deep, and increasingly a major traffic driver for the site
“We probably won’t do twincest again.”
O, a meaning!
Fifty years ago, with humanity about to reach the moon, The New York Times gave a poet a corner of the front page.