Nieman Foundation at Harvard
HOME
          
LATEST STORY
What do we want? Unbiased reporting! When do we want it? During protests!
ABOUT                    SUBSCRIBE
Aug. 28, 2017, 1:10 p.m.
Business Models
LINK: www.theguardian.com  ➚   |   Posted by: Ricardo Bilton   |   August 28, 2017

Ferido pela desaceleração no mercado de publicidade, o Guardian espera que grandes doadores possam ajudar a aumentar o ritmo.

Na 2ª feira (28.ago.2017), o Guardian anunciou formalmente a criação do theguardian.org, um braço filantrópico com base nos EUA formado para arrecadar dinheiro de indivíduos e organizações que buscam financiar certos tópicos específicos do jornalismo (incluindo “think tanks” –instituição dedicada a produzir e difundir conhecimentos e estratégias sobre assuntos vitais– e fundações corporativas). Desde o seu silencioso lançamento no ano passado, a organização arrecadou US$ 1 milhão, decorrente das curtidas da Humanity United, de Pierre Omidyar, da Fundação Skoll, e da Fundação Conrad N. Hilton para financiar relatórios sobre temas como a escravidão nos dias atuais e mudanças climáticas. O Guardian disse que garantiu US$ 6 milhões “em comprometimento de financiamentos por vários anos”, o que se espera que apoie a cobertura de tópicos que não seriam reportados de outra maneira.

Passaram-se apenas 3 anos desde que o Guardian, motivado por sua cobertura de sucesso das revelações de Edward Snowden e que resultou em um Pulitzer, embarcou em uma busca global para aumentar seu status, particularmente nos EUA. Mas a realidade tem sido menos cor-de-rosa: O Guardian, que tem sido um gastador de dinheiro perene, tem sido forçado a fazer demissões em sua equipe norte-americana e embarcar em uma série de cortes de gastos que prejudicaram seus planos de crescimento.

No entanto, há boas notícias na parte de assinaturas pagas. Em seu relatório de receita de julho, o Guardian disse que as vendas de assinaturas e mais de 190 mil contribuições únicas ajudaram a aumentar sua receita geral em 2,4%, para £ 214,5 milhões (US$ 257 milhões), para o ano fiscal terminando em 2 de abril. A receita decorrente de bolsas de financiamento aumentou 65% em relação ano ano anterior, para £ 3,8 milhões, mas ainda é uma pequena parte do retorno geral do jornal.

A ação do Guardian ocorre apenas um mês depois que o coletivo Laurene Powell Jobs’ Emerson adquiriu uma participação majoritária de The Atlantic. Esses movimentos poderiam ser um presságio para ações similares por parte de outros veículos de notícias. Mas também podem haver lados negativos na troca. Ruth McCambridge, editora do Nonprofit Quartely, disse que a mistura de jornalismo e estratégia filantrópica era “assustadora”. O CEO do Grupo Midiático Gizmodo, Raju Narisetti, perguntou-se se o Guardian, que é um veículo com 1 considerável fluxo de caixa do Scott Trust, é realmente a publicação mais efetiva para que doadores financiem. O que é bom para o Guardian pode acabar não sendo tão bom assim para veículos menores que competem pelo mesmo dólar.

The Portuguese version of this story was first published in Poder360. Translation by Renata Gomes.

Show tags Show comments / Leave a comment
 
Join the 50,000 who get the freshest future-of-journalism news in our daily email.
What do we want? Unbiased reporting! When do we want it? During protests!
Not all protests get treated equally. Stories about women’s marches and anti-Trump protests give more voice to the protesters than those about Black Lives Matter and other anti-racism protests.
Instagram is busy fact-checking memes and rainbow hills while leaving political lies alone
Plus: Emphasizing a publisher’s name on social doesn’t seem to impact readers’ misinfo radar much one way or the other.
Is this video “missing context,” “transformed,” or “edited”? This effort wants to standardize how we categorize visual misinformation
MediaReview wants to turn the mishmash vocabulary around manipulated photos and video into something structured.